quinta-feira, 16 de novembro de 2017

RPGs em Financiamento Coletivo

Estamos vivendo um tempo incrível no que toca ao RPG, vários jogos estão saindo e boa parte através dos financiamentos coletivos. Pensando nisso, resolvi fazer esse post com um apanhado de links de jogos que estão em financiamento, de modo a torna mais fácil para você apoiar um ou mais deles. 




Sombras Urbanas é um RPG de fantasia urbana em que você interpreta personagens que lutam para sobreviver em um ambiente urbano sombrio afogado em políticas sobrenaturais. O jogo foca na criação do drama e na violência pesada como visto em outras obras como True Blood, Angel, Buffy, Vampire Hunter D, Blade, Lost Boys, Vampire Diaries, Teen Wolf, Penny Dreadful e Constantine. Conheça e apoie no seguinte link: https://www.catarse.me/sombrasurbanas



Lankhmar é o cenário clássico de espada e feitiçaria de Fritz Leiber, um dos pilares do gênero. Em Lankhmar as coisas não são tão preto no branco, mas sim em diversos tons cinzas. Os heróis não são tão heroicos assim, os próprios personagens principais das histórias de Leiber, Farfhd e Rateiro Cinzento, são ladrões de moralidade dúbia, mas que (quase) sempre acabam fazendo as coisas certas.  Conheça e apoie no seguinte link: https://www.catarse.me/lankhmar?ref=ctrse_explore_pgsearch&project_id=65750&project_user_id=530177



Desmortos é um jogo de RPG sem dados sobre vampirismo, onde os Jogadores assumem os papéis de predadores ardilosos e mortais e o Mestre assume o papel de organizador do jogo, contador de histórias e mediador, descrevendo um mundo rico cheio de sexo, violência e terror. O jogo é focado em intrigas, conspirações e disputas de poder dentro do mundo obscuro dos vampiros. Conheça e apoie no seguinte link: https://www.catarse.me/desmortos?ref=ctrse_explore_pgsearch&project_id=64906&project_user_id=710965

Nébula é um jogo de ação onde os jogadores interpretam personagens criminosos em um futuro distante. O sistema solar já não existe mais e a estrela Tigris é o novo lar da humanidade. Uma grande organização militar conhecida como OMEGA governa a maioria dos mundos com punho de ferro. Os personagens dos jogadores são piratas espaciais tentando fazer negócios perigosos com mafiosos enquanto escapa do radar da OMEGA. Conheça e apoie no seguinte link: https://www.catarse.me/nebularpg?ref=ctrse_explore_pgsearch&project_id=62466&project_user_id=64162

Belregard é um RPG, um jogo onde os jogadores interpretam personagens e vivenciam histórias de horror em um cenário medieval cru e brutal, à imagem do que foi a idade média europeia após a queda do império romano. É um lugar escuro, envolto por uma era de trevas e ignorância, onde a única salvação da humanidade parece residir na fé, no Tribunal do Supremo Ofício, aos homens santos que interpretam as misteriosas parábolas do Criador, o Deus Pai. Conheça e apoie no seguinte link: https://www.catarse.me/belregard?ref=ctrse_explore_pgsearch&project_id=66187&project_user_id=242183

Se você gosta do nosso conteúdo, nos siga nas redes
Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/falandoderpg
Assine nosso canal no Telegram: t.me/guildafalandoderpg
Siga-nos no Twitter: https://twitter.com/alvaroelisio


terça-feira, 14 de novembro de 2017

House Rules para Fate Básico: Recursos

Eu estou lendo o Fate Básico e acabei de terminar o capítulo sobre as perícias. Nesta sessão, somos apresentados a algumas dezenas delas e uma me causou estranheza, a perícia Recursos.  O livro define recursos como "o nível geral de bens materiais do seu personagem no mundo do jogo, assim como a habilidade de utilizá-los de alguma forma", porém, essa ideia de ligar recursos com perícias me pareceu bem forçada e mesmo as alternativas trazidas, para mim, não funcionariam dentro do jogo.



É verdade que se a mecânica de criação de aspectos for considerada, é possível justificar uma perícia Recursos com mais facilidade. No entanto, ao menos para mim, a gerência de itens e elementos consumíveis não só fazem parte do jogo como também impactam positivamente a diversão. Pensando nisso, resolvi criar uma pequena regra que levarei para minhas futuras sessões de Fate.

REGRAS PARA RECURSOS ( HOUSE RULE)

O que seria? Recursos seria o nível geral de seus bens materiais possuídos na mão e imediatamente possíveis de uso. Portanto, representaria aquilo que o seu personagem carrega no momento.

Como determinar? Tal como se determina uma Perícia, todavia, ao contrário das outras, Recursos +4,  por exemplo, daria  4 caixa de recursos para um personagem. Que seriam testadas e consequentemente perdidas ou preservadas, enquanto os personagens fazem uso de seus recursos.

Como se testaria Recursos?  Em determinadas situações, tais como uma falha no ataque utilizando um arco ou no uso de algum tipo de equipamento consumível como tochas e combustível, rolaria-se um único dado e se o resultado for  "-" perderia-se uma caixa de recurso.


Eu ainda não testei essa regra, mas em breve quero fazer e espero que essa variação me sirva. Agora, eu gostaria de saber: você possui alguma regra variante para Fate ou qualquer outro jogo relativo ao gerenciamento de recursos?

Se você gosta do nosso conteúdo, nos siga nas redes
Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/falandoderpg
Assine nosso canal no Telegram: t.me/guildafalandoderpg
Siga-nos no Twitter: https://twitter.com/alvaroelisio



sábado, 11 de novembro de 2017

Especializações para Space Dragon




Esse post deveria ter saído na quinta, mas meu trabalho no doutorado me impediu. De toda forma, hoje é sábado, dia de post e como já diria o ditado: antes tarde do que nunca. Abaixo você poderá conferir um pequeno arquivo em pdf com algumas especializações para o Space Dragon. Parte dessas especializações já figurou por aqui, todavia, outras foram feitas exclusivamente para esse pdf. Bem, eu espero que você goste e não deixe de me dar aquele velho e bom feedback.




Se você gostou do conteúdo,siga o blog nas redes

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Lugares Fantásticos & Incomuns: A Umbra

Muito tempo atrás, escrevi alguns posts tratando sobre lugares inusitados para aventuras. O post abaixo é uma espécie de retomada dos antigos posts, bem como uma ampliação desse conceito inicial. Minha ideia é deixar a disposição de você leitor e você leitora, uma série de lugares incomuns para serem explorados. Hoje, você conhecerá a Umbra, um local inspirado no Plano das Sombras, no imaginário cristão medieval e também no imaginário romano sobre o mundo do pós-vida. 



A UMBRA

A Umbra é um lugar intermediário entre a danação, o paraíso e a realidade material. Ele é definido pelos sábios como um entrelugar, um local que não deveria ser habitado por ninguém, apenas uma passagem. Embora não devesse tocar a realidade material e ser acessível apenas aos mortos, existem relatos de vivos que se perderam na Umbra ou resolveram visitá-la em busca de tesouros, tendo que enfrentar um trajeto penoso, atribulado e ameaçador para voltar para casa. Acessar a Umbra não é fácil, mas um usuário de magia poderoso pode realizar um ritual que permita tal feito, além disso, há passagens espontâneas que se manifestam nos diversos locais do mundo.  A Umbra é um mundo desbotado, apático e sem cor. Semelhante ao mundo material, mas muito mais tenebroso e assustador. Todos que pisam em seu solo e respiram o seu ar sentem-se esmagados e oprimidos, a sensação de perseguição é constante e sentimentos melancólicos afloram com dificuldade. O céu é um abóboda negra, recoberta de uma aurora púrpura e espessa que vomita raios silenciosos. No solo uma névoa branca parece brotar, envolvendo  as construções que são como ruínas. Na Umbra, a vegetação parece estar podre ou cristalizada, enquanto o ar tem um leve odor férreo, semelhante aquele do sangue fresco.

FORMAS DE ACESSO

Existem diversas formas de acessar a Umbra espontaneamente, sendo a mais comum, obviamente, através da morte. Abaixo você confere uma tabela aleatória com outras formas de entrada.

1
Um buraco no chão
2
Fissura na parede
3
Poço antigo
4
Cemitério
5
Espelho
6
Armário
7
Embaixo da cama
8
Caverna
9
Neblina Noturna
10
Caverna


REGIÕES DA UMBRA

Cada vez que alguém adentra a Umbra acidentalmente se pode parar em alguma das suas regiões, ao contrário dos Mortos que são levados pelo Rio das Almas. Abaixo, você pode conferir uma tabela aleatória com as regiões mais famosas da Umbra, onde um aventureiro perdido pode vir a surgir.

1
Vale dos Murmúrios
2
Rio das Almas
3
O Castelo dos Ossos
4
Montanha das Sombras
5
O Templo Corruptor
6
A Torre do Imortal
7
O Deserto das Cinzas
8
Planície da Morte
9
A Prisão dos Perdidos
10
O Labirinto dos Crânios


EFEITOS COLATERAIS

Ao se andar nesta terra é impossível não sofrer com grandes horrores, principalmente em situações de grande tensão. Portanto, quando o grupo estiver em uma situação como um combate ou uma fuga, todos devem fazer um teste para não sofre algum tipo aleatório de efeito mental ou físico.

1
Alucinação (30% de chance de atacar os companheiros)
2
Juventude Consumida (1d6 de dano e sinais de envelhecimento irreversíveis se manifestam)
3
Perda de Memória (o personagem perde uma lembrança importante)
4
Ilusão que projeta uma pessoa querida sofrendo
5
Acesso de Medo (personagem perde a ação)
6
Desmaio por 1d6 rodadas


ENCONTROS ALEATÓRIOS

Todos os que adentram na Umbra acidentalmente chamam a atenção de criaturas macabras, as quais podem aparecer a qualquer momento. Abaixo, você pode determinar aleatoriamente qual tipo de criatura coloca-se no encalço do grupo.

1
Dragão de Ossos
2
Fantasma Poderoso
3
2d6 Esqueletos
4
1d6 Sombras
5
3d6 Zumbis
6
Espectro
7
2d6 Cães Infernais
8
1d6 Aparições
9
2d6 Diabretes
10
Cavaleiro da Morte
11
Devorador
12
Demônio



ARTEFATOS

Muitos artefatos de grande poder foram escondidos ou criados por entidades que habitam a Umbra, muitos desses itens são o motivo de mercenários arriscarem a vida – e perderem-na. Abaixo, você confere uma lista de alguns desse artefatos em uma tabela.

1
Joia das Almas
2
Bracelete da Vida
3
Trombeta dos Famintos
4
Anel do Domínio
5
Chaves dos Sete Portais
6
Laço do Valente
7
Flauta das Sombras
8
O Livro dos Espíritos
9
Espada Espectral
10
A Armadura Ossos

RUMORES & CONHECIMENTOS

Muitas informações, mentirosas e verdadeiras, já foram reunidas sobre a Umbra e é possível que aqueles que transitam neste lugar já tenham ouvido falar de algumas delas. Quando alguém fizer um teste com o propósito de descobrir algo sobre o lugar role o dado e descreva o resultado.


1
A Umbra foi criada por uma criatura poderosa, possivelmente demoníaca (verdadeiro)
2
A Umbra é na verdade o corpo de um anjo em decomposição (falso)
3
No Rio das Almas existe um barqueiro que pode levar aquele que entrega uma moeda de ouro para qualquer lugar, inclusive os portais do inferno e as escadas do paraíso (verdadeiro)
4
É possível encontrar entes queridos mortos na Umbra (falso)
5
A Umbra frequentemente sofre com terremotos que podem fazer com que pessoas fiquem presas para sempre em abismos sem fim (falso)
6
A Umbra está em expansão, graças aos poderes de uma entidade poderosa (falso)
7
Existe um grande castelo no centro da Umbra, lá habita um demônio que rapta crianças para que trabalhe em algum projeto escuso. (verdadeiro)
8
Um mortal que encontre a morte na Umbra fica preso por 100 anos mortais neste território (verdadeiro)
9
Dragões acessam a Umbra livremente (falso)
10
As criaturas vivas deixam um cheiro no ar que pode ser sentido por criaturas da Umbra (verdadeiro)
11
Espírito às vezes se perdem na Umbra e vagam ocasionalmente no mundo mortal atravessando portais (verdadeiro)
12
A Umbra já foi uma espécie de paraíso que foi corrompido por um Lich (falso)
13
A Umbra possui diversas regiões e o tamanho do seu território é desconhecido (verdadeiro)
14
É impossível morrer na Umbra (falso)
15
Ao morrer na Umbra, seu espírito parte para o destino final, mas seu corpo pode ser usado como receptáculo por alguma criatura imaterial até que se decomponha (verdadeiro)
16
Ficar muito tempo na Umbra transforma os vagantes em monstros permanentemente (falso)
17
O tempo passa de modo diferente e caótico na Umbra (verdadeiro)
18
Ao voltar da Umbra o personagem tem sua expectativa de vida diminuída na metade (falso)
19
Demônios atraem pessoas para Umbra e as levam como escravas para o inferno (verdade)
20
No meio da Umbra existe um paraíso onde habitam anjos guardiões dos mortos (falso)

Se você gostou do conteúdo,siga o blog nas redes

sábado, 4 de novembro de 2017

NOVIDADES NO FALANDO DE RPG

Olá leitor e leitora, esse post é uma conversa sobre o que você deve esperar do blog daqui para frente. Como eu falei no post passado, este espaço está no ar desde 2009 e esse ano eu resolvi que ele deveria começar a se expandir de diversas maneiras. Portanto, abaixo eu exponho um pouco dos planos que tenho em mente, espero que você goste das novidades.






Tempos atrás, tinha proposto na página a criação de um grupo ou lista de transmissão no Whats, mas os seguidores sugeriram o Telegram. Pois bem, depois de amadurecer a ideia, o canal está criado. No nosso canal no Telegram, você terá acesso a conteúdos exclusivos, bem como saberá o que irá rolar no blog com antecedência. Haverá dicas e áudio dicas para jogadores e mestres, compartilhamento de notícias, materiais em PDF e informações sobre os posts mais recentes no blog. Você pode acessar o canal através desse link: t.me/guildafalandoderpg


A partir de agora, o blog está no Instagram, que contará conteúdos exclusivos também. Acompanhe no perfil do blog informações sobre monstros raros, cenários famosos, personagens interessantes, além de imagens com dicas para mestres e jogadores, informações sobre os posts mais recentes no blog. Você pode acessar o nosso perfil através desse link: https://www.instagram.com/falandoderpg/


Eu também postarei toda semana no blog, especificamente três vezes na semana, às Terças, Quintas e Sábados. Nos dois primeiros dias, o conteúdo será especificamente de RPG, enquanto aos sábados  pauta será variada. Fique ligado em nossa página do Facebook e não perca absolutamente nada, pois o blog começará uma nova temporada de posts na terça feira. 


 Por fim, eu coloquei um Padrim no ar em prol do Espadas & Punhais. A intenção é produzir conteúdo para os assinantes com a intenção de arrecadar dinheiro para auxiliar a financiar a imprimir versões físicas do jogo. Se você gosta do Espadas & Punhais e também curte o nosso conteúdo aqui, considere nos ajudar, pois com apenas R$ 1,00 você já pode fazer a diferença. Se você desejar colaborar acesse: https://www.padrim.com.br/segredodaslaminas


Se você gosta do nosso conteúdo, nos siga nas redes
Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/falandoderpg
Assine nosso canal no Telegram: t.me/guildafalandoderpg
Siga-nos no Twitter: https://twitter.com/alvaroelisio



quinta-feira, 2 de novembro de 2017

O Falando de RPG & a Blogsfera de RPG: de 2009 até os dias atuais



Eu quase nunca comemoro o aniversário deste blog e isso levou a uma perda de sua historicidade. Essa “falta de historicidade” parece uma besteira, porém, conversando com um amigo, ele me disse que tinha certeza que o Falando de RPG nascera com o Espadas & Punhais e isso não está certo. O Falando de RPG é mais antigo e tenho certeza que é um dos blogs mais velhos ainda em atividade. Enquanto escrevia aqui, vi morrer e nascer muitos blogs, vi morrer o orkut e nascer o facebook, bem como vi surgir jogos e editoras. Para você ter uma ideia, nosso primeiro post é de 30 de dezembro de 2009, portanto, quase oito anos.

O post que segue é uma espécie de reconhecimento dessa história. Minha intenção é apontar um pouco do que foi a trajetória do Falando de RPG e dos blogs de RPG que influenciaram ou ajudaram esse blog durante esses anos. Não será possível citar tudo, nem todos, muito menos os detalhes de toda a história, por isso, conto com a ajuda de todos para aumentar essa narrativa através dos comentários.





PRIMEIROS PASSOS

Eu sempre joguei RPG, mas por motivos de fanatismo religioso da minha mãe, tentar manter jogos durante a adolescência sempre foi como declarar uma guerra, graças a Deus, isso é passado. O ano de 2009 foi o início do fim dessa “era das trevas”, eu estava voltando ao RPG e estava no terceiro período da Faculdade com 18 anos. Na época, eu tinha apenas um único livro de RPG – que tenho até hoje – o Livro de Senhor dos Anéis CODA e era a época do lançamento da quarta edição do D&D, que eu já jogava desde 2004. Nesse mesmo ano, eu resolvi fazer uma busca pela internet com o termo RPG e minha cabeça explodiu, pois era a época do boom dos blogs. Não deu outra, fiz o Falando de RPG e comprei a quarta edição do D&D. 




NA SOMBRA DOS GIGANTES

Eu passei o ano de 2009 inteiro lendo diariamente os posts de diversos blogs e apenas no final o Falando de RPG nasceu. Nesse período, eu mergulhei de cabeça na Rede RPG e conheci outros blogs incríveis. Virei fã do Nitro Dungeon e devorei todos os seus relatos de campanha, eu também passei a escutar os Nitrocasts e fui descobrindo outros podcasts como o Rolando 20. Inclusive, uma curiosidade é que o primeiro comentário no blog foi do Tio Nitro e isso me fez continuar com tudo, postando uma segunda vez em Janeiro de 2010 e mantendo um bom ritmo naquele ano. Além do Nitro Dungeon, eu esperava ansioso pelos posts do blog Paragons, que era escrito por parte da equipe da Redbox, além disso, eu adorava as postagens do Vorpal, blog do Fabiano Neme e do Rafael Beltrame (você poder ler essas pérolas aqui). Esses eram os gigantes que inspiravam-me a manter o Falando de RPG e era esse o padrão que eu queria seguir.




UMA IRMANDADE DE BLOGS E PESSOAS

Nesse tempo, não existia os grupos do Facebook para divulgação dos posts e quem reinava absoluto era o RPG Blogs, atualmente RPG.net.br. Era por meio do agregador que a gente conhecia as novas e velhas caras da blogsfera de RPG. Além disso, rolava sempre de se estar ligado no PopRank que era uma ferramente quantificadora da popularidade dos blogs de RPG, disponibilizada no Paragons. Havia também um blog chamado Pergaminhos Dourados que tomara para si a hercúlea tarefa de catalogar os blogs por periodicidade, bem como apresentá-los ao público. Esse era um serviço muito incrível, senti na pele como o tráfego no blog aumentou depois da apresentação que o pessoal do blog Pergaminhos fizeram. Neste tempo, eu também conheci o Fernando Fenrir do blog Cavaleiros Insones e mantivemos muitas conversas pelo MSN. Enquanto escrevia para o blog, eu aprendi muito com o blog Área Cinza sobre criação de mundos e de RPG, li bastante o blog A Matilha, aprendi um pouco mais sobre RPG oldschool com o blog do Clérigo, sempre olhava as indicações de melhores posts do RPG do Mestre e nunca deixava de olhar o RPG blogs. Nesse tempo, havia também iniciativas onde diversos blogs se reuniam e criavam material para um determinado jogo, dentre as mais populares estava a Iniciativa 4ª ed. , que produzia material para o D&D 4ª. 





MORTE E NASCIMENTO NO RPG

Depois de mais ou menos dois anos de inserção na blogsfera de RPG, eu vi vários blogs que eu gostava acabarem ou diminuírem o ritmo de posts. O Paragons, o Vorpal e tantos outros encerravam as atividades, enquanto o Nitrodungeon diminuía suas postagens. Vários blogs repetiam postagens de notícias, tornando enfadonho e tedioso acompanhar o RPG blogs. Nessa época, quase desisti do Falando de RPG e se não me engano cheguei até a parar por um tempo (essa seria a primeira de duas paradas, a última tinha pretensão de ser definitiva, mas não foi), também estava jogando menos e acabei lendo ainda menos sobre RPG, o que me levou a um bloqueio criativo. Todavia,  nem tudo era tão negativo, pois surgia neste contexto a Redbox Editora, a Retropunk e  mais tarde ( no mercado nacional, pois na gringa eles já atuavam) a Secular Games, esta última com um concurso para criação de jogos. Além disso, outros blogs nasceram e se tornaram referência como é o caso do Pontos de Experiência, bem como muitos continuaram com ótimo conteúdos e um suporte invejável, como é o caso do Confraria de Arton, um outro blog bastante antigo da cena, datado de 2008.




ATUALMENTE...

Se multiplicaram as transmissões de jogos e também os canais no Youtube sobre RPG. Além disso, o Facebook tomou um lugar central na propagação dos posts, divulgação dos blogs e criação de material para os mais diversos jogos. De fato, nunca vimos tanta pluralidade e oportunidade no cenário de RPG, o que se traduz com o surgimento de novas editoras tais como a Fábrica, Pensamento Coletivo, New Order e a Solar Entretenimentos, muito graças a popularização do Financiamento Coletivo. Os Financiamentos Coletivos também possibilitaram que autores independentes e studios de criação surgissem e se desenvolvessem, o que foi o caso do Coisinha Verde (que já existia, mas se desenvolveu ainda mais com os financiamentos) e o Lampião Games Studio que possui diversos trabalhos em desenvolvimento e que serão publicados por diversas das editoras citadas. Em relação aos blogs, bem, eles ainda continuam, inclusive, atualmente sendo possível ler e acompanhar um blog com estrutura parecida ao saudoso Paragons, o Mundos Colidem. Hoje, essa mídia divide espaço com os grupos do Facebook e com plataformas de financiamento de conteúdo como o Apoia-se e o Padrim, onde diversos produtores de RPG se encontram atuando, dentre eles o Rafael Beltrame (https://apoia.se/aventurasbeltramicas), o Igor Moreno (https://apoia.se/igormoreno) e o Fábio Silva com seu suporte para Fate ( https://www.padrim.com.br/conexaofate).


E O FALANDO DE RPG? 

O Falando de RPG vai continuando devagar e persistente, achando seu lugar ao sol entre os gigantes da blogsfera e rumando para muitos e muitos anos de existência!

Nos acompanhe também no Facebook: https://www.facebook.com/FALANDO DE RPG
Nos siga no twitter: @alvaroelisio
Receba nossos posts e conteúdo exclusivo no canal do Telegram: t.me/guildafalandoderpg




terça-feira, 31 de outubro de 2017

Personagens Iniciantes são Folhas em Branco?



Eu acho estranho aventureiros iniciantes terem uma biografia extensa. Todavia, também é bizarro que eles sejam como folhas em branco, vazios de habilidades e histórias que denotem algum tipo de experiência que os tenha marcado/beneficiado. É fato que ninguém inicia uma carreira sendo expert, todavia, isso significa que o indivíduo não tem história? Ou que ele não tem nenhum conhecimento já sedimentado?

Em jogos Old School, não existe uma preocupação profunda com a biografia. Os personagens estão construindo sua fama e suas imagens como aventureiros ou heróis poderosos, eles serão e não são ainda algo. O DCC RPG com suas aventuras funis são um exemplo extremo de como tudo isso é colocado em prática, os jogadores constroem diversos personagens de nível 0 que enfrentam uma situação extrema e que em sua maioria encontram a morte nela. Em resumo, jogos assim obedecem a seguinte lógica: pessoas viviam uma vida insignificante antes de se tornarem aventureiras e a própria vida de aventureiro é ingrata, seu desfecho para os tolos e imprudentes é a morte e o esquecimento, enquanto que, para os sobreviventes, é uma vida de desafios perigosos.

Outros jogos, como o Blood and Honor, pressupõe que um personagem já é alguém, possui um status que o tira do anonimato e o coloca no protagonismo de uma forma que justifica a existência de uma biografia rebuscada. De certa forma, nesse tipo de jogo não é a aventura que constrói o personagem, mas ela interrompe o fluxo de sua vida e o tira do seu mundo comum, estabelecendo um ponto de virada que não necessariamente muda sua condição, mas acrescenta algo na sua narrativa biográfica.

Ambas as abordagens possuem vantagens e embora eu tenha uma inclinação pelo Old School, acredito que é possível pescar umas coisas interessantes na segunda perspectiva. Pois, eu realmente acredito que um personagem iniciante pode nunca ter salvo a vila em que morava, mas sua história pode ter algum episódio útil ou significativo para o que será construído na aventura e que isso é legal de ser levado em consideração mecanicamente. Inclusive, existem diversas maneiras de fazer isso e diversos RPGs mostram como.

O Espadas Afiadas e Feitiços Sinistros, por exemplo, faz isso com sua a mecânica simples de Complicação e Vocação. Neste jogo, o personagem tem um passado que pode ser invocado durante o jogo, bem como possui um recurso mecânico vantajoso advindo de seu treinamento em alguma Vocação – espécie de especialização – de seu Arquétipo. Outro modo de abordar essa bagagem pré-aventura dos aventureiros são os Aspectos do Um Anel RPG. Aqui, aspectos representam truques, jeitinhos e “segredos do ofício” que cada cultura transmite dando aos heróis que cresceram nelas um talento especial para desempenhar durante as demandas.

A quinta edição do D&D também trabalha isso de uma maneira interessante, utilizando as características de Antecedente e a mecânica de Inspiração. De forma geral, personagens ganham Inspiração quando seu Antecedente complica sua vida e podem “se inspirar” em aspectos importantes de sua trajetória de modo a ganhar vantagem em algum teste específico. Como se pode perceber, todos os jogos exemplificados encontram uma maneira de valorizar conhecimentos anteriores dos personagens.

Muito embora o Espadas & Punhais não possua inicialmente uma mecânica deste tipo, estou bolando algo para testar futuramente e assim poder incluir no livro de regras adicionais, porém, isso é assunto para outra postagem. Agora, eu gostaria de saber: como você leitor, e você leitora, lidam com isso em seus jogos? 

Nos acompanhe também no Facebook: https://www.facebook.com/FALANDO DE RPG
Nos siga no twitter: @alvaroelisio