quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Defensores da Fé: Devoção dos Personages de D&D

Assim como existe aqueles que se dedicam aos estudos das forças caóticas da magia,  aqueles que trabalham o corpo para torna-lo apto a suportar o rigor de uma feroz batalha,existem também aqueles que concentram sua dedicação em outra forma de obter seus interesses e de fazer proezas dignas de magos e guerreiros, estes são individuos agraciados com uma devoção sobrenatural,uma fé que literalmente os fazem mover a terra e controlar a natureza ao seu redor, estes são os abençoados com poder divino.
Personagens desse tipo são agraciados, desde a infância com sinais  que demonstram  o quanto sua vida é mais especial do que a dos outros,seja através de marcas de nascencia ou das próprias atitudes. Os administradores  do poder divino,são a sua maneira destaques entre os outros, contudo eles  não escolheram este caminho por que queriam apenas, mas sim pela razão de que foram os deuses que traçaram um plano para tais vidas, não é a vontade de um clérigo que o faz clérigo, mas sim a vontade de seu deus.
Paladinos e Sacerdotes dessa maneira, não são como guerreiros e magos que dizem-se muitas vezes donos de seus próprios narizes e almas, a bússola de seus próprios pés,  aqueles que servem os deuses sabem que o que as vezes parece ser o caminho que o coração decidiu não passa de uma sugestão poderosa de uma divindade qualquer, eles sentem as consciências divinas obviamente que através de sua fé e sabem que a vida dos mortais é observada e analisada de uma maneira que não pode ser compreendida plenamente.
A devoção, que é a principal caracteristica daqueles que servem aos deuses, consede uma cosmovisão que trenspassa as visões dos mundanos, literalmente através das doutrinas de seu deus os religiosos acreditam ser mais sábios e não mais cegos como os outros, dependendo da divindade  a forma como se encara esta cegueira pode ser pacifica ou fatalista.
A fé nutre os corpos de clérigos e paladinos fazendo com que estes operem milagres em si próprios e nos outros, a experiência que crer verdadeiramente em um deus e obter autoriade de fazer proezas em seu nome permite aos defensores da fé serem individuos que passam sentimentos de grande impacto, um clérigo benigno pode inspirar através de suas atitudes e de sua presença a bondade e a caridade, um paladino em uma batalha quase perdida talvez possa levar ao  exército a esperança, assim como adoradores de deuses mortos ou demoniacos insitam o medo e o sofrimento diante de suas testemunhas.
A vida, os atos e os sentimentos são encarados de acordo com impressões muito maiores do que aquelas que um momento, um evento possam despertar, para os outros que não entendem a vida santificada aquilo pode ser tolice, bobagem, esquisitice ou sinal de sabedoria, afinal religiosos muitas vezes são conhecidos pelso seus dons proféticos e sua capacidade de enxergar longe.
No fim a passagem pelo mundo mortal é encarada como uma grande jornada que divide-se em dois própositos: Uma grande cruzada para a pregação das doutrinas de sua divindade e da aniquilação daqueles que se opõem aos seus designos e a nobre e dificil missão de ser um guia e um exemplo para aqueles  que procuram no dominíos divinos uma direção para suas ignobéis caminhadas.