quarta-feira, 14 de abril de 2010

Como Obter um personagem diferente sem apelar para grandes poderes?

Estava pensando sobre o assunto que deveria tratar aqui no blog (tempos de pouca inspiração para posts) e resolvi falar a respeito de algo que via nas minhas antigas mesas de d&d e que continuo testemunhando nas sessões de alguns conhecidos meus, a procura pela personilização desenfreada dos personagens dos jogadores, algo que de fato sempre me incomodou.
Devo dizer que a nova edição do d&d abarcou diversas raças estranhas e de certa forma saciou a sede de boa parte dos jogadores em relação a esta procura por uma personalização,contudo será que mesmo tendo raças extremamente alienigenas temos de fato personagens diferentes nas nossas mesas de jogo?Ou os pdjs são apenas réplicas de personagens famosos? Ou pior são criações razas feitas apenas para dar um nome a uma ficha considerada poderosa?
Estas perguntas nos levam a mais dois questionamentos importantes o primeiro seria o que de fato é o RPG? E a segunda pergunta seria o que é personalização? Apenas uma ficha poderosa?Pois bem com tais indagações em minha mente digo que boa parte dos jogadores tendem a serem contaminados com o efeito video game, ou seja, personagens com estátisticas altas,poderosos em aspectos combativos, mas pobres e fracos em questões interpretativas, o que os leva dessa maneira a confusão de que personagem com personalidade é personagem poderoso, quando na verdade não se trata bem disso.
Acho que personagem diferente não necessariamente precisa ser de uma raça exótica, ou de uma classe rara, mas sim precisa de profundidade, somos impares graças a nossos contextos e nossas histórias, vivemos em uma mesma realidade, mas a observamos através de nosso próprio universo, as percepções humanas divergem de pessoa para pessoa, assim acredito que este seja o verdadeiro ingrediente da personalização.
O que ocorre em grande parte das mesas que observei foi uma desvalorização da profundidade dos personagens e consequentemente do significado do R na sigla RPG, em muito casos o jogo resumi-se a combates e caça de tesouros,uma história linear sem reviravoltas sem aproveitamento dos históricos dos pdms e pdjs,  resumindo um jogo pobre, o que acaba causando a ideia de que personalização significa combos extremos e poderes inimagináveis.
Este tipo de jogo me frustra completamente e acredito que a boa parte dos mestres e jogadores também, graças a tendência que naturalmente eles têm da criação de uma disputa de poderes. Mas voltando ao assunto do post, quando existe o compromisso com a parte interpretativa se pode pensar verdadeiramente no sinificado de personagens diferentes, para mim este termo traz a ideia de senso de realidade( claro esta realidade obedece a lógica do jogo e do cenário proposto), ou seja, toda uma história um contexto uma lente que difere o personagem dos outros individuos do mundo.Diferenças como aquelas que nos diferem e ao mesmo tempo nos unem.
Ser diferente aliás foge do esteriotipo do ser forte e ter grandes poderes em boa parte das situações, ser diferente, ou melhor unico, as vezes pode significas ser fraco também, ou em outras ocasiões ser uma pessoa normal que desafiou os dogmas do destino e chegou a lugares onde ninguém antes dela havia chegado. Neste sentido a ideia de personalidade toma uma perspectiva muito ampla fazendo com que mesmo um gupo formados apenas por humanos ter individuos completamente diferentes entre si, até mesmo em relação a aparência de cada um, a cultura é um grande modo de diferenciação e personalização que abre leques para interpretações incriveis. 
Personalidade vai mais além do que grandes quantidades de bônus ela tem como essência o conceito de identidade, singulariade enfim de particular. Estas foram minhas paalvras senhores comentem discutam e me falem o que acham sobre o assunto obrigado e até breve, continuem a jogar rpg !