terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Galeria de Vilões: Ieoth O Príncipe Bruxo

Olá senhores e senhoras que leem este blog! Hoje inauguro uma  nova sessão, a galeria de vilões onde vocês encontrarão históricos e quando possível fichas para 4ed. do d&d de vilões criados  por mim. 
Nesta sessão estarão backgrouds que também servirão como pequenos ganchos de aventuras, inspirações causais para os narradores de plantão que ainda não decidiram o tema de sua próxima campanha, por isso não se assustem se os finais  não estiverem, digamos concluidos da forma mais típica.
 Então nessa estréia  trago para você o histórico de um jovem príncipe que deixou-se levar pela ambição e desejo de vingança Ieoth O Príncipe Bruxo então vamos lá?


Irdeck era o filho unigênito do grande rei Asdrek, mas ao contrário do seu pai o jovem príncipe não cultivava a honra e o valor das boas tradições, em seu coração frutificava apenas a crueldade e a prepotência, falhas de caráter que para o herdeiro do trono eram as reais qualidades de um verdadeiro lorde.
Usando de sua nobreza não para servir e proteger, mas para oprimir e explorar Irdeck era temido e odiado  pelos súditos de seu pai, o que causava dor e decepção no coração bondoso do velho rei Asdrek,pois o governante temia pelo destino do seu povo e também pelo espírito de seu filho.
Com o passar dos anos a escuridão, que era tímida, no entanto forte, tornou-se ainda maior no coração de Irdeck criando raízes tão profundas que penetraram no âmago do olhar de sua alma. Diante das atitudes asquerosas do príncipe, atitudes estas que iam de saques a plebe, cobranças indevidas de impostos até festas com prostitutas nos lugares sagrados do castelo o rei Asdrek consultou o grande sacerdote e profeta Ateriom no intuito  que este o revelasse uma saída para o futuro negro do seu reino.
A conversa entre o rei e o sacerdote foi longa  e seu fim surpreendente para aqueles que escutaram o que foi decidido, pois nunca em toda a   linhagem do sangue dos antigos reis, uma decisão tão radical fora  tomada. O príncipe deveria ser banido e seu legado como rei negado, a coroa assim teria de ser entregue para outro, alguém da mesma linhagem, talvez um outro filho, que deveria ser gerado com esse intuito, ou  um parente distante.
Como foi decidido na conversa assim foi feito, o príncipe Irdeck foi exilado por seu próprio pai,que mesmo com pesar no espírito espalhou a mensagem do ocorrido e proibiu qualquer um de ajudar o seu próprio filho, pois o príncipe não era mais bem vindo.
Indignado  com a atitude do pai, Irdeck jurou vingança e saiu do reino vestido de ódio e vergonha, murmurando maldições contra seu antigo lar.Depois de meses enfrentando os perigos da vida selvagem, fazendo pequenos roubos em cidadelas e comunidades, dormindo em esgotos e ruínas, o príncipe exilado entregou-se completamente, através de um ritual profano, aos poderes do mal, firmando com seres abissais um pacto obscuro.
O acordo concedeu poderes ao jovem príncipe tornando-o um habilidoso bruxo conquistador de muitos territórios e senhor de muitos povos malévolos,o seu nome de batismo foi esquecido e todo o resquício de bondade que poderia ainda haver no espírito de Irdeck foi enterrado juntamente com esse nome, para o mundo e para seus malignos súditos o   príncipe  deveria  ser chamado de  Ieoth o Bruxo.
Com um império nas mãos e um imenso poder o Príncipe Bruxo iniciou a pouco tempo sua vingança contra o reino do seu pai, agora governado por um de seus primos distantes, seus esforços para levar a ruína ao reino tem tido êxito,pois  a fumaça e o fogo queimam dia e noite atrás dos muros e aos poucos o exército perde  força com a miséria que a escassez de água e comida se agrava.
Ieoth o Bruxo tem assim a vitória nas mãos e a sua vingança progride como um navio empurrado pelos ventos fortes, contudo talvez esse não seja o fim para o grande reino, talvez ainda existam nessas terras sofridas heróis capazes de enfrentar a ira de um filho maldoso.