quinta-feira, 26 de maio de 2011

Colaboração d'O Bardo - União da equipe

Se você já mestrou uma única partida de RPG já se deparou com o seguinte problema: como unir um bando de gente estranha em um grupo?


Um grupo de aventureiros unidos é capaz das façanhas mais impressionantes, desde enfrentar grupos de kobolds a poderosos dragões, desde salvar a vila dos bandidos até derrubar o tirano que oprime o reino. Mas há uma coisa que pode derrubar grupos com os heróis mais poderosos, a falta de união.

Quando se começa uma aventura, independente do sistema, a primeira coisa que se faz é se juntar os jogadores. Isto não é obrigatório, mas é a abordagem mais usada. Mas para a efetividade do grupo, é bom unir os heróis para, depois, prosseguir com a aventura. Para conseguir isso podem ser adotadas algumas abordagens diferenciadas.

Velhos amigos

Por mais incrível que pareça, a integridade dos mestres iniciantes, ou seja, cem por cento deles, começam a aventura dizendo algo como “vocês já se conhecem há algum tempo, então já são amigos”. Isso acontece mesmo que os personagens nunca tenham sido usados e nada tenham a ver uns com os outros. Embora não seja a mais adequada, essa solução até pode colar, entretanto, alguns toques podem torná-la bem mais aceitável.
Aqui, é imprescindível que os personagens tenham um background. Conhecendo o de todos os personagens, é possível cruzar os caminhos deles em um momento anterior à aventura. Se todos falarem um pouco sobre o passado de seus heróis, naturalmente surgirá um modo de juntá-los.

Quem?

Outra possibilidade é usar a abordagem inversa da anterior, em vez dos personagens já se conhecerem desde outros tempos, é eles nunca terem se visto antes. Este método traz algumas dificuldades a mais, centradas pela pergunta: “como vou juntar um bando de desconhecidos e formar colegas de batalha?”. A resposta pode ser posta em duas palavras, motivo e circunstância. A circunstância é a situação que fez com que os heróis se juntassem, o que aconteceu que fez eles se conhecerem. O motivo é o porque de o grupo continuar junto, a razão pela qual os colegas de equipe não se tornaram apenas pessoas que se encontraram uma vez. Isso tudo pode ser facilmente arranjado pelo mestre com um pouco de planejamento. Um exemplo clássico é prender os aventureiros por um motivo qualquer e oferecer a soltura caso eles aceitem realizar uma missão

Motivos diferentes, objetivo comum

Um grupo ainda pode estar junto por motivos diferentes. Esta forma funciona para aventuras curtas ou como solução provisória. Por exemplo, um Guerreiro, que busca vingança por sua vila destruída, se alia ao Mercenário, que caça o mesmo vilão para conseguir uma recompensa, e ambos se juntam com o Ranger, que viajava na mesma direção.

Enfim, existem diversas maneiras de juntar um grupo, basta que você escolha uma delas e planeje para executá-la. Nunca esqueça que uma aventura sem pontas soltas pode fazer toda a diferença entre começar um grupo longevo e terminar com um.

Não esqueçam de acessar As Crônicas do Bardo Acorde!

Bena