terça-feira, 18 de julho de 2017

A Campanha como Combustível do Cenário.



Estou muito feliz com minha atual campanha, pois ela tem me dado a oportunidade de ver crescer um pouco mais do meu cenário ( escrevi sobre ele aqui, algumas coisas mudaram, mas a ideia geral continua). Mais do que nunca, ela tem sido um propulsor para a criação de detalhes, o que é um jeito muito legal de ver as coisas acontecerem.

Não que o que acontece diretamente no jogo impacte o mundo sempre. Mas, coisas pequenas que são pescadas dos devaneios dos personagens e dos comentários dos jogadores nos levam a pensar e acabam nos trazendo novas ideias. Um exemplo disso, foi a descoberta por parte dos meus jogadores que  a caverna onde estavam, e que escondia uma cripta, fora parte de um castelo antiquíssimo, de tempos imemoriais. Essa informação aparentemente genérica foi o ponta pé inicial para que eu começasse a criação de mais um elemento do meu cenário, os Reis Esquecidos.

Em outra ocasião, na mesma cripta do exemplo anterior, os personagens libertaram um ser poderoso que disse ter sido humano antes de ser aprisionado a um sepulcro. Esse personagem liberto pelos meus jogadores, chamado Ogirep, foi fruto de uma rolagem em uma tabela de acontecimento aleatórios ( você pode conferi-la aqui), sua maior participação na história foi resultado da escolha dos jogadores de abandonarem a torre que conquistaram e irem atrás de um tesouro relacionado a este personagem. Atualmente, Ogirep tem sido minha inspiração para pensar outro detalhe para o cenário, uma espécie de culto politeísta - o que é condenado pela religião monoteísta do cenário.

O que tenho feito não é nada inovador, mas uma técnica clássica dos mestres, isto é, ouvir e aproveitar aquilo que vem dos jogadores. Talvez, a diferença seja que eu resolvi levar isso para além da trama atual, observando aquilo que ocorre na minha campanha como fonte de inspiração para meu cenário particular. Pode ser que, ao contrário de mim, você não tenha um cenário caseiro, mas fazer da sua campanha um combustível para o cenário do seu jogo me parece ser uma ótima pedida, principalmente se você deseja dar um toque pessoal para ele.

No fim das contas, seja na construção de um cenário do zero ou o uso de um cenário já pronto em que se deseja dar uma personalizada, ouvir os jogadores, prestar atenção no que eles trazem para a campanha e usar isso para pensar fora da caixa, agregando novos ingredientes para toda a ambientação é sempre um bom caminho a seguir.

Enfim por hoje é só. Se você gostou do material, não deixe de comentar e compartilhar. Siga o blog também no Facebook: https://www.facebook.com/falandoderpg/