sexta-feira, 18 de março de 2011

Campanhas Épicas: Algumas Reflexões



Olá senhoritas e senhores hoje trago para vocês uma curta reflexão sobre o que auxilia a construção do épico em uma campanha, ou seja, como podemos transformar uma grande história de ação em algo além, aprofundando assim todo o universo criativo coletivamente proposto.
Bem, o primeiro ponto é o mais fácil e está presente em qualquer início de crônica, estou falando do plot da campanha, dos primeiros rabiscos que nortearão todo o conjunto de aventura, como todos sabem este deve ser grandioso  apresentando uma característica de incerteza, passando assim aquela sensação que o sucesso é improvável ou até impossível.
No entanto, será que apresentar uma grande história, ou melhor uma grande necessidade é construir uma campanha realmente épica? Será que traçar esses primeiros esboços completam o elemento épico que queremos adicionar em nossas aventuras? A minha  humilde resposta é não.
um épico é muito mais do que um conjunto de aventuras interligadas que apresentam como tema um desafio improvável de ser vencido, existe na concepção da história épica um elemento que adiciona a profundidade necessária para esse tipo de história, tal elemento podemos nomear nesse pequeno post de o elemento espiritual.
Mas, o que seria então o espírito épico? A grosso modo seria o elemento propiciador de complexidade e profundidade a uma história, no caso do RPG  seria as evoluções que os personagens dos jogadores teriam no decorrer das aventuras, ou seja, a mudança nas comovisões, nas atitudes e o amadurecimento no desenvolvimento da história.
Nesse sentido, uma história épica seria a união desses dois aspectos, onde se veria o desenvolvimento tanto físico quanto interior, subjetivo. Quando a nossa crônica se destitui de um desses elementos perde-se o rumo e os trilhos que nos levariam até uma verdadeira campanha épica, pois se deixarmos de lado as mudanças interiores teremos uma história rasa de ação, mas se esquecermos da ação teremos apenas um drama psicológico   sem o brilhantismo das cenas de ação.
Dessa maneira, o que eu quero dizer para finalizar é simples, um épico é composto por equilíbrio de forças, ele tem doses fortes de ação e de drama e esses dois elementos puxam um ao outro formando assim as tessituras da história, girando a roda que a torna mais dinâmica e real na lógica fantástica que propomos a criar.

Como dica deixo a algumas  grandes obras do cinema e também da literatura( logo depois do texto) espero que tenham gostado e espero os comentários e sugestões!

  • A Odisséia
  • A Divina Comédia
  • O Ultimo Samurai
  • O Senhor dos Anéis
  • Star Wars
  • A Origem
  • 300