quarta-feira, 30 de maio de 2012

Deixando de Jogar com Personagem, Mas Não Abandonando-os Parte II

Olá senhores e senhoras! Quero hoje voltar a tocar em um assunto que já falei em outra oportunidade, quero retomar o post Deixando de Jogar com Personagem, Mas Não Abandonando-os e assim trazer mais algumas formas de lidar com a troca de personagens antigos e significativos por personagens novos e ainda rasos em questão de vínculos com a história e também com o jogador.
Dessa vez eu irei tratar de mais dois pontos que podem recuperar os antigos personagens de maneira interessante e dramática, formas que inclusive podem se demonstrar divisores de águas na campanha ou para usar um termo que está bem na moda um plot twister, então sem tantas delongas vamos ao que interessa.



VIDA, MORTE E RESSURREIÇÃO

O primeiro ponto que podemos trazer para complementar o primeiro post é a ideia de ressurreição de um antigo personagem. Tal fato incrível pode acontecer por diversos motivos, dentre estes talvez o mais clichê seja a posse de uma informação por parte do antigo herói morto, informação esta necessária para os personagens atuais continuarem as suas aventuras com êxito.
Porém não temos apenas esse motivo e outros podem facilmente ser criados, talvez o cumprimento de uma promessa divina traga dos mortos os maiores heróis da geração passada  no intuito destes auxiliarem os heróis atuais em uma batalha que redefinirá a realidade e a história do mundo.
Se por ventura ampliarmos a ideia de ressurreição podemos englobar o conceito de reincarnação, fazendo de maneira ainda mais forte a ligação entre personagem atual e antigo, consciência presa em algum artefato como uma arma ou armadura talvez, e por fim a própria ideia de um guia espiritual, um fantasma que surge em determinadas situações propícias.



PASSADO HEROICO E PRESENTE VILANESCO 

O segundo e último ponto que gostaria de tratar no post de hoje é a possibilidade de corrupção dos antigos heróis, ou seja, sua possível conversão ao "lado negro da força". Talvez esta seja a forma mais delicada de se trazer de volta um personagem antigo; contudo, a não menos dramática e interessante, pois a carga emocional envolvida pode trazer um grande vigo a história que está se tentando contar.
Além disso, não é necessário de fato que o antigo personagem esteja no lado do mal, pode ser que esteja no fim das contas sendo manipulado de algum modo ou bem pior talvez sejam os personagens atuais que não estejam no caminho certo.
Se levarmos em consideração cenários onde os tons de cinza prevalecem as coisas podem ficar ainda mais interessante, pois não haverá de fato um grande mal, mas haverá apenas choques de pontos de vista e interpretações sobre um determinado assunto.



DICA FINAL :MISTURANDO TUDO
 Como dica final eu deixo a pequenina e humilde ideia de misturar de alguma forma todas as dicas que escrevi ou pelo menos aquelas que são mais coerentes umas com as outras; e para não ficar só no blá blá blá eu deixo um exemplo logo abaixo.

Danur foi um grande herói que em uma de suas aventuras teve um romance, que gerou um filho chamado Lanur, filho este que por intermédio dos caminhos do destino ele nunca viu ou soube da existência. Mas, Lanur cresceu ouvindo os feitos do pai e assim como ele se tornou herói; enquanto isso Danur conhecia a morte e em um momento de desespero abraçou as sombras e se tornou um terrível vampiro. Porém o destino é trágico em suas escolhas e através de seus tortuosos caminhos levou pai e filho a se encontrarem, pois Lanur foi contratado pelos últimos nobres do feudo de Talketorn para acabar com a ameça do vampiro conquistador chamado Danur, o que será que ocorrerá no encontro entre pai e filho, bem e mal?  




 CONCLUINDO MESMO 


Bem esta foi a última parte do que eu tinha para falar sobre o assunto e como últimas palavras eu afirmo que o mais importante no processo de deixar de jogar com um personagem, mas não abandoná-lo é fazer a ligação e construir a veracidade da história, é no final das contas causar impactos nos jogadores e usar dos antigos personagens para ampliar a protagonização dos atuais personagens, fazendo com que estes já estejam desde o começo dentro da da história, sendo significativos e tendo sentido tanto na atual trama quanto na trama do próprio mundo.