sexta-feira, 24 de junho de 2011

Colaboração d’O Bardo: Crítica e sugestão de background - Padre

Depois de X-Men, gostei da ideia de trabalhar mais a fundo minhas impressões sobre os filmes, então, vou falar hoje sobre outro filme interessante que olhei, Padre (Priest).

Embora seja um filme curto e com muita ação, Padre tem um pano de fundo bastante interessante, principalmente para adeptos do RPG. A história se resume mais ou menos no seguinte, o mundo, desde tempos imemoriais assiste a um conflito entre duas raças, os homens e os vampiros. Estes últimos não são os clássicos sanguessugas que estamos acostumados, são criaturas mais bestiais, cujo nível de inteligência me pareceu bem difícil discernir, eles lembram bastante um dos extraterrestres do desenho animado Ben-10. Os humanos sempre combateram estas criaturas sofrivelmente, pois os vampiros eram mais rápidos e mais fortes, sendo apenas detidos pela luz do sol. A humanidade já estava a beira da extinção, trancada em cidadelas sob o comando da igreja, até o dia em que as armas definitivas foram criadas, os Padres. Estes sacerdotes eram especialmente treinados no combate aos vampiros, superando sua força e velocidade com habilidades sobre-humanas de batalha. Vencendo a batalha, os Padres foram reincorporados à sociedade, mas silenciados e tratados como pessoas a serem temidas. Os heróis dos tempos de guerra passaram a viver como marginais.
A história gira em torno de um Padre que teve sua sobrinha raptada supostamente por vampiros, sendo que estes deveriam estar extintos. Renegando a igreja, ele foge para investigar o que aconteceu.
Até aqui já dá um ótimo background, quiçá uma aventura pode ser feita. Mas o filme continua, e para não deixar spoilers, recomendo que olhem o filme. Só deixo uma nota para o chapéu do vilão, que nunca cai. A despeito da ventania, das acrobacias, da batalha em cima do trem, de tudo, o maldito do chapéu não se abala.

Recomendo, quem sabe até uma adaptação role nos próximos tempos.

Não esqueçam de acessar As Crônicas do Bardo Acorde!

Bena