Pular para o conteúdo principal

O Senhor da Guerra em essência



Olá meus leitores neste post me dedico a uma das classes provinda da nova edição do nosso d&d, uma classe que de primeira me deixou bastante curioso e porque não dizer intrigado? Falo do Senhor da Guerra,um combatente poderoso e extremamente estrategista que também apresenta como atributo principal a capacidade de liderar outras pessoas em combate.
Apesas de nas páginas do livro do jogador estar escrito que classes da função lider não precisam ser necessariamente aquelas que ocupam tal papel em situações mais interpretativas, eu vejo que elas perdem um´pouco seu potencial quando não encaradas dessa forma, por isso resolvi escrever este post para trabalhar na ideia do guerreiro nascido para liderar.
Ressalto, como sempre, que as considerações escritas são opiniões minhas e gostaria de que fossem discutidas através dos comentários, outra coisa que distaco é que o que escrevo poderia servir muito bem para um guerreiro da 3ºx ed, contanto que certas coisas tenham um pouco mais de atenção, mas isso não vem ao caso.
Então  voltanto, um senhor da guerra tem como definição ao meu ver um combatente que em meio aos outros guerreiros sempre mostrou uma chama de liderança no espirito, dessa maneira acho importantissimo isso estar manifestado em outras esferas da vida, pois espirito de liderança é um atributo notável.
Tal manifestação já poderia abrir um leque enorme para diversos plots de aventuras ou personagens, afinal as vezes aqueles que são naturalmente mais proprensos a liderarem podem causar inveja aos outros, claro que não precisa ser em tudo que o personagem demonstre-se capaz de liderar, principalmente no inicio de sua carreira, pela razão de que um bom lider não toma as decisões sem ponderação, mas sim depois de muito refletir sobre o que aqueles que o cercam têm a dizer, apenas os imprudentes não escutam os concelhos.
Liderança também é sinal de imponencia, uma traz e reflete a outra para o bem ou para o mal, neste sentido um senhor da guerra deve portar-se de forma que as pessoas vejam nele algo diferente, uma admiração que beira as vezes uma devoção.
Para mim um senhor da guerra é um guerreiro que perpassa em um campo de batalha a confiança para aqueles que lutam ao lado dele, seja pelo seu treinamento, experiencia, ou pela pura chama da liderança que arde em seu espirito transformando-o em um lider nato.Personagens como estes devem sempre lembrar disso,pois assim como um clérigo deve ser encarado como um concelheiro e consolador em horas tempestuosas, o senhro da guerra deve ser encarado como o impusionador da força de batalha.
Acho que está nas mãos de tal tipo de personagens reavivar a coragem em momentos que a batalha parece estar perdida é ele que deve, em minha percepção, ajudar o guerreiro inexperiente que deixa a sua espada tremer, a tomar a confiança no coração e entender que garotos não sobrevivem a guerra, mas homens voltam com a glória da vitória.
Em relação a estrategia ela está intimamente ligada a questões táticas e de reflexão, para mim os verdadeiros lideres não são impulsivos, eles não agem sem reflexão principalmente em um batalha, assim também percebo os senhores da guerra.
Estes devem estar sempre preocupados com o posicionamento, estrategia, chances de derrota e vitoria nas batalhas, tal classe deve ser uma das primeiras a serem consultadas em situações como o cerco e a invasão de um local, pois apesar de um guerreiro normal ter talvez estas respostas o que difere estes combatentes é que o primeiro, graças a sua visão de lider, pensará de forma que articule o grupo e o faça agir de maneira mas benéfica para todos, enquanto o segundo talvez não venha a ter esta visão.
Quero dizer também que os papeis podem se inverter dentro do jogo, um guerreiro pode ser um grandioso e tático lider enquanto o senhor da guerra um combatente que apenas pensa nele,mas tal situação acredito é anormal aos moldes das duas classes, afinal os poderes de cada uma foram pensados visando o designer de cada uma.
Assim quero encerrar dizendo que a liderança é o que move o coração de um senhor da guerra e este é como o vento forte que conduz a grande embarcação nos mares bravios, quando tal inflamação do peito desaparece do senhor da guerra ele deixou de ser o que um dia foi e tornou-se um guerreiro apenas ( não querendo desmerecer)  uam sombra do que um dia foi.