Pular para o conteúdo principal

Deixando de jogar com personagens, mas não os abandonando

Olá pessoal! Quanto tempo não? Mas, eu estou de volta e gostaria de falar sobre um assunto bem interessante e  que para alguns é sensível hehehe. Trata-se dos momento em que temos que deixar de jogar com certos personagens, ou seja, quando eles chegam a um nível épico ou quando a campanha acaba e o tempo passa, quando os heróis se aposentam e dão o lugar para novos heróis.
Se despedir de um personagem sempre dá um pouco de pena, e quando saudosismo dos feitos e aventuras dele começam a brotar, as coisas se tornam ainda mais "dolorosas" no ato de virar a página. Entretanto, o virar a página significa de fato o fim da história de um antigo herói? Ou apenas o fim de sua história como protagonista? Pois bem, eu acredito que deixar de jogar com um personagem não significa jogá-lo na lixeira ou no limbo, muito menos relegar seu nome as lembranças de jogos passados, para mim ele apenas deixa de ser o protagonista das histórias, porém ele ainda pode continuar fazendo  parte delas de muitas formas.

ele foi protagonista e voltou como participante especial 


O PRESENTE E O PASSADO SE MISTURAM 

Uma das formas de se evitar o esquecimento de personagens queridos é trazê-los para dentro das novas histórias, de modo que, os novos heróis se entrelacem de alguma forma com os antigos, o que pode ocorrer de inúmeras formas, vamos a um exemplo concreto então:
Um jovem guerreiro é treinado na Montanha do Lobo por um velho senhor, que o salvou na floresta próxima, um belo dia seu treinamento chega ao fim, mas, antes que o jovem guerreiro comemore o fim do seu ciclo como aprendiz, ele e o seu mestre sofrem um ataque de um cavaleiro, no combate o jovem guerreiro descobre que o seu velho mestre é na verdade o lendário  possuidor da espada do deus guerreiro e que agora é o seu dever proteger e usar tal espada.
O exemplo não foi um dos melhores( isso é que dá escrever tarde da noite), mas servirá como ideia de como manter vivo na história um antigo personagem que o jogador usou, criamos um laço entre o velho e o novo personagem e ainda de quebra fazemos dele um mentor e parte importante da história, já que muito provavelmente o cavaleiro tenha alguma relação com as antigas aventuras do antigo personagem.
Outros modos de misturar passado e presente, ou  melhor, antigos e novos personagens na mesma história é laços de parentesco entre eles, além disso, pode haver uma relação de vassalagem, de associação, um personagem precisa de um item que o antigo personagem detém, de devoção, os personagens antigo e novo se encontram em uma peregrinação ou templo antigo ou quem sabe de estudos mágicos.



HISTÓRIA QUE INSPIRA 

Caso a intenção seja não permitir a presença dos antigos personagens, seja qual for o motivo disso, um modo interessante de evocá-lo na mesa é trazê-lo como parte da historicidade do mundo e para isso tudo pode valer, estátuas em praças, lendas cantadas em tavernas e documentos históricos contando feitos dos heróis de outrora.
Porém, a influência pode ser ainda maior através de itens materiais que os novos personagens podem usar, itens que carregam a fama das antigas aventuras, e que assim evocam as antigas glórias,  tais itens podem ser espadas, lanças, armaduras ou coisas mais simples como cachimbos, bandeiras e outros objetos pequenos.



CONCLUINDO, POR ENQUANTO...

Por hoje é só, no entanto, vou continuar a falar sobre o assunto na segunda parte trazendo outras ideias de como não deixar no limbo os antigos personagens. Mas, antes de ir eu quero dizer que usar dessas ferramentas é sempre interessante, pois concede ao mundo vivacidade, historicidade e realismo tornando a história bem mais profunda e gostosa de se criar. Como última dica deixo a observação de filmes e séries de de como personagens antigos, que foram protagonistas de algum modo, voltam como coadjuvantes ou como participantes especiais ou simplesmente como histórias e lendas.