sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

MANIFESTO PELA DIGNIDADE HUMANA NO RPG

Tem ocorrido várias e várias postagens, principalmente no Facebook, de cunho humorístico e ofensivo que propagado e revelado situações de homofobia, racismo e preconceito no geral. Diante de posts e comentários cada vez mais alarmantes, resolvi escrever um manifesto pela dignidade humana no RPG, firmando meu compromisso em combater todo tipo de atitude desrespeitosa.



1- A atitude fraternal e equitativa deve não só ser uma realidade entre amantes do RPG como também deve ser zelada, ampliada e defendida ante situações que a ameacem ou promovam qualquer forma e tipo de segregação.

2- Todo RPGísta tem o direito e o dever de ser respeitado e respeitar qualquer outra pessoa independente de raça, cor, sexo, idioma, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza, nascimento, ou qualquer outra condição.

3- É dever de produtores de conteúdo, jogadores e mestres promover micro ou macro ações de conscientização da dignidade de todo ser humano, aprendendo com o próprio jogo que não só é possível a convivência da diferença como é imprescindível para a manutenção e saúde do hobby.

4- Nenhum RPGísta deve ser submetido a humilhação, ridicularização ou violência em ambiente físico ou virtual seja qual for o motivo

5- Todo RPGísta  tem direito à liberdade de opinião e expressão e é livre para procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios, contanto que seu discurso não inflija ou promova qualquer tipo ou forma de dano.

6-  É dever de toda a comunidade censurar atos de preconceito e intolerância conscientes, primeiramente através de aviso e posteriormente através de boicote e banimentos dos respectivos responsáveis pelas atitudes citadas.

7- Nenhum dos pontos já citados pode ser usado para justificar atos que contrariem ou venham a ferir os princípios da ética, solidariedade e respeito, fundamentadores da redação destes parágrafos.  


3 comentários:

  1. Respostas
    1. Hmmmm... discordo parcialmente, heim? Machismo, racismo, LGBTfobia, são opiniões políticas e JAMAIS podem ser respeitadas porque vão de encontro aos direitos humanos mais básicos. Precisa repensar isso ai (mas agora tô realmente com muito sono, preciso pensar direito xD)

      Excluir
  2. Eu entendo a sua intenção aqui tenho certeza de que ela é bem nobre. Mas, se me permite dizer, isso é um decreto e não um manifesto.

    Manifesto é quando vc estabelece os pontos da opinião de uma pessoa ou grupo formalmente. O seu é quase uma cópia do artigo quinto da constituição e estabelece coisas que a lei já nos pede para fazer.

    Se você quer colocar essas ideias em prática dentro do RPG deve dizer COMO você ACHA que as coisas devem ser feitas. O que você escreveu é O QUE DEVEMOS, percebe a diferença?

    Exemplo de manifesto:
    1.Aparência, preferências ou gênero de um jogador não muda em nada a forma com que conduzimos nossos jogos. Queremos poder adentrar uma convenção de RPG onde homens, mulheres e outros se divirtam de maneira igualitária.
    2. Queremos diversidade em nossos cenários de campanhas (publicados ou caseiros), para que cada alter-ego seja aceito como herói daquele mundo ou protagonista daquela história. Que a arte e o design dos jogos celebrem essa diversidade.
    3. Que o conteúdo publicado da internet seja o mais respeitoso possível. A internet é grande e poderosa, capaz de trazer QUALQUER PESSOA para o hobby. Nossos blogs, videos, posts, e-books e memes devem ser SEMPRE um tapete de boas vindas a quem quer que seja. Nunca ofensivo ou discriminatório.
    4. A liberdade de cada um em criar coisas incríveis com o RPG é o grande trunfo de nosso hobby. Que cenários adultos sejam apresentados sim, mas como reflexões dos problemas e nos façam pensar o que está de errado no nosso mundo. Queremos que o RPG seja crítico com os problemas que nos cercam mas sua comunidade de jogadores nunca deve tolerar com tais práticas.

    ResponderExcluir