Pular para o conteúdo principal

O Réquiem da Fortaleza e As Lágrimas do Cavaleiro. Parte Final

Aqui está a primeira parte do conto




Argion lançou-se ao seu martírio. A espada em cada corte cantava a fúnebre melodia da derrota, os últimos guerreiros do grande exército da fortaleza cambaleavam, matavam inimigos e prostravam ao chão. apagavam-se as suas luzes, as suas estrelas, adormeciam suas almas.
Os inimigos vorazes, trespassavam as armaduras com machados e lanças as armaduras, suas armas plantavam feridas que frutificavam em sangue e tragédia. As bandeiras da antiga glória eram queimadas, como incenso que glorificava a vitória dos adversários. A Fortaleza virava cinzas.
Os olhos de Argion observavam por uma das janelas, todo o baluarte tomado e em chamas, no alto as novas bandeiras tremulavam com o vento." A pedra forte rolou e ruiu e o forte encontrou seu algoz e a dor." disse com pesar a alma do guerreiro.
A arma inimiga rasgou a carne e um grito de dor eclodiu da garganta, os olhos de Argion arregalaram-se, o general havia sido atingido por uma pesada espada e seu peito perfurado por uma grande lança  foi. O ultimo líder tombava. A vida o deixava, enquanto seu corpo encontrava-se com o chão, seus pulmões entregavam-o ao eterno sono.
Havia apenas Argion e mais meia dúzia de guerreiros lutando, o fim estava decretado. O azul do céu, o calor do sol e os antigos sorrisos ficariam para trás . A batalha chegava ao fim. A derrota e a morte pareciam um alívio, o fim não mais era amargo, ao menos não como a sua espera.
Assim, como um espírito em seu momento final foi Argion, derrotado e ao mesmo tempo cheio  de glória, ele e mais os seis sobreviventes encheram-se de poder e esplendor gritando "Pela Fortaleza!." Os inimigos temeram, as espadas que reluziam, a coragem e a força de Argion e seus companheiros, força vinda da morte e também da vida. Argion e os outros lutaram chorando no derradeiro ato, falecendo em pouco tempo. Entretanto, levaram consigo muitos dos seus inimigos, fazendo aqueles que incitaram o medo tremer de pavor. Escreveram na história dos seus algozes a sua história, eternizando seus atos e vivendo na memória de muitos povos para todo o sempre.